A Espírito Santo Financial Group (ESFG), holding que controla o Banco Espírito Santo (BES), vai deixar de estar cotado na praça de Londres, passando a estar presente na Bolsa de Lisboa e no mercado accionista do Luxemburgo.

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a ESFG adianta que já iniciou o processo para as suas acções deixarem de ser negociadas na bolsa londrina no início de Junho.

Na London Stock Exchange, o último dia de negociações deverá acontecer a 5 de Junho (uma quinta-feira), sendo cancelada a participação da ESFG no mercado londrino às 8h de 6 de Junho. A saída da praça não é explicada no comunicado, onde são apenas referidos os procedimentos formais do processo. Na praça portuguesa, a ESFG continua cotada, estando presente no principal índice bolsista do mercado nacional, o PSI-20.

A ESFG controla mais de 73,6 por cento da Bespar, que, por sua vez, detém uma participação de 35,5 por cento no BES. É ainda accionista de referência da Companhia de Seguros Tranquilidade.

No quadro das auditorias ordenadas pelo Banco de Portugal ao Grupo Espírito Santo (GES), e devido à exposição do BES ao sector não financeiro do grupo, a ESFG teve de reconhecer, no ano passado, uma provisão de 94,8 mil milhões de kwanzas.

A constituição desta almofada aconteceu num ano em que a ESFG registou um prejuízo de 117 mil milhões de kwanzas (contra 313,6 milhões de euros de lucro em 2012) e o BES apurou um resultado negativo de 70 mil milhões de kwanzas (contra lucros de 13 mil milhões de kwanzas no ano anterior).

Isto num período em que se assistia a uma guerra na praça pública no interior do GES, com troca de acusações entre Ricardo Salgado, líder do BES e o presidente José Maria Ricciardi.