O Banco Mundial (BM) convidou o Estado são-tomense a mudar o modelo económico actual, para que haja um crescimento económico mais equilibrado, evitando despesas superiores às receitas. Num Relatório Síntese Económico do País, divulgado segunda-feira na capital são-tomense, o BM adianta que o crescimento registado, entre 2001 e 2014, foi “muito baixo”, porque se baseou “no aumento da despesa pública e no aumento do investimento público, financiado por empréstimos externos e donativos”. O documento avança que à medida que os donativos foram caindo, aumentou o nível de endividamento, e o Estado deixou de honrar os seus compromissos e o crescimento económico desceu”.

Crescimento económico
Crescimento económico
Segundo Rafael Barroso, economista sénior do BM residente em Washington, nos Estados Unidos, a tentativa de prorrogar o crescimento económico levou o país a registar uma queda nas reservas internacionais.
“A nossa principal mensagem neste relatório, é que o modelo económico de São Tomé e Príncipe tem que mudar, não pode ser um crescimento impulsionado pela despesa pública, tem que ser um crescimento mais equilibrado”, afirmou.
Elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) com o financiamento do BM, entre Agosto e Novembro de 2017, o documento explica que, nos últimos 10 anos, o arquipélago observou défice económico, tendo gastado muito além daquilo que arrecadou.
Em 2010, cerca de 68, 4 por cento da população tinha despesa de consumo diário a abaixo da linha de pobreza e, em 2017, este número baixou para 66,7 por cento, explicou o economista.