A economia brasileira recuou 0,5 por cento no terceiro trimestre de 2013 em relação ao anterior, em que registou um avanço de 1,8 por cento, segundo divulgou esta semana o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa queda verificada de Julho a Setembro foi a primeira desde o primeiro trimestre de 2009, quando a baixa foi de 1,6 por cento. Em valores correntes, o PIB atingiu 1,2 trilião de reais no terceiro trimestre.

O destaque neste trimestre foi para a queda de 3,5 por cento da agro-pecuária. Já a indústria e o sector de serviços mostraram a mesma variação e cresceram 0,1 por cento, os investimentos tiveram uma baixa de 2,2 e o consumo das famílias subiu um. O IBGE também apresentou a revisão do PIB de 2012 para alta de um por cento, abaixo do divulgaçãoque a Presidente Dilma Rousseff tinha afirmado em entrevista ao jornal espanhol “El País” no final de Novembro. Na ocasião, a presidente disse que a economia brasileira, após revisão, cresceu 1,5 por cento em 2012, acima da alta de 0,9 divulgada pelo IBGE em Março.

Em comparação com o mesmo período de 2012, o PIB do terceiro trimestre de 2013 aumentou 2,2 por cento, abaixo dos 2,5 previstos pelo ministro Guido Mantega na véspera, salientando que houve um abrandamento no terceiro trimestre, em relação ao anterior, mas que caminhava em direcção a um crescimento maior. Na avaliação dos analistas, o resultado ficou dentro do que foi estimado. Este ano, de Janeiro a Setembro, o PIB cresceu 2,4 por cento, com resultados positivos na agro-pecuária (8,1 por cento), indústria (1,2) e nos serviços (2,1).