O Reino Unido poderá vir a sofrer de uma escassez de alimentos frescos durante semanas ou mesmo meses, caso não exista um acordo em relação ao Brexit, segundo avançou a agência “Reuters” esta semana.
Empresas de retalho como a Tesco alertam que a saída da União Europeia a 31 de Outubro sem um acordo de transição causará problemas, já que muitos produtos frescos são importados e os armazéns são abastecidos antes do Natal.
A indústria de retalho, que emprega 450 mil pessoas no Reino Unido, olha para o Brexit como o maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial, superando as crises anteriores, como o escândalo da carne de cavalo de 2013 e o surto das vacas louca durante os anos 80 e 90.
O primeiro-ministro Boris Johnson advertiu várias vezes a União Europeia que, a menos que concorde em fazer um novo acordo ele deixará o país fora da UE a 31 de Outubro sem acordo.
À medida que o inverno se aproxima, o Reino Unido torna-se mais dependente de alimentos importados, de modo que um não-acordo do Brexit é potencialmente mais problemático.