Cabo Verde conheceu, em 2018, um fortalecimento da actividade económica, com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) real estimado em 5,5 por cento, contra os quatro por cento registados em 2017, anunciou, recentemente, o Banco de Cabo Verde (BCV).
Os dados recolhidos pelo BCV apontam ainda para a manutenção da taxa de desemprego em 12,2 por cento e para um aumento da inflação média anual de 0,8 para 1,3.
Em relação às contas externas, “melhoraram, com a redução do défice comercial de bens e serviços, com a diminuição dos rendimentos pagos aos investidores não residentes e com a desmobilização de activos externos pelos bancos nacionais.
A fonte acrescenta que as reservas internacionais líquidas do país registaram um aumento de cerca de oito milhões de euros, passando a garantir cerca de 5,6 meses de importações de bens e serviços.
Sobre o défice global das contas públicas, o BCV informa ter reduzido de 3,1 por cento para 2,6 do PIB, devido “à diminuição dos investimentos públicos e ao contínuo aumento das receitas fiscais”.
“Em consequência da contenção das necessidades de financiamento do Estado e do crescimento acelerado do PIB nominal (na ordem dos sete por cento), o stok da dívida pública, excluindo os Títulos Consolidados de Mobilização Financeira, reduziu dos 126,6 por cento para 123,4 por cento do PIB”, lê-se na nota do BCV.
O banco reviu em alta o crescimento económico do país para este ano, em resultado dos “desenvolvimentos económicos recentes” e das “expectativas em torno das políticas macroeconómicas”.