A Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), em Moçambique, tem um plano de investimento a 10 anos, no valor de 500 milhões de euros, de modo a recuperar e modernizar o sistema electroprodutor, a informação foi avançada pelo presidente da HCB, Pedro Couto, numa entrevista à revista Exame.
O gestor disse que o Capex Vital será financiado por recursos próprios e crédito bancário, nacional ou internacional.
O programa de investimentos visa proceder a uma renovação de partes da infra-estrutura, melhorando a eficiência da capacidade instalada para assegurar a operacionalidade e sustentabilidade da cadeia de produção.
“Com estes investimentos, a HCB irá aumentar o grau de fiabilidade da produção e transporte de energia, garantindo que os clientes recebem energia de qualidade”, adiantou Pedro Couto.
A HCB produz energia para dois mercados regionais, a África do Sul, o seu principal cliente, e o Zimbabwe, o Malawi poderá vir a ser o próximo destino da electricidade gerada na barragem.
A Hidroeléctrica de Cahora Bassa vai estar cotada na Bolsa de Valores de Moçambique, através de uma Oferta Pública de Venda das acções representativas de 7,5 por cento do seu capital social, conforme anúncio efectuado em 27 de Novembro de 2017
pelo Presidente, Filipe Nyusi.
Cahora Bassa é uma das grandes fontes de receita do Estado moçambicano, que recebeu em 2017 entre impostos, taxas e dividendos cerca
de 130 milhões de dólares.