A captura de peixe em Cabo Verde registou este ano uma baixa de 72 por cento em relação ao ano passado, anunciou a Associação dos Armadores de Pesca (APESC) de Cabo Verde.
Em conferência de imprensa, na cidade do Mindelo, na Ilha de São Vicente, o presidente da APESC, João Lima, denunciou uma situação crítica que faz com que os operadores não conseguissem assumir as suas responsabilidades perante a banca e os fornecedores.
Perante este cenário, João Lima pede ao Governo a adopção, com urgência, de um plano de mitigação para o sector.
O presidente da APESC precisou que, neste momento, o total da descarga no Complexo de Pesca ronda as mil 394 toneladas de pescado, enquanto, no ano passado, foram descarregadas 4.977 toneladas.

Capacidades
A APESC recorda que os armadores cabo-verdianos não têm capacidade para irem pescar na vasta Zona Económica Exclusiva do arquipélago e enfrentam o problema de colocação de dispositivos de concentração de peixe (DCP) dentro da ZEE de Cabo Verde.
Esta situação está a afugentar os cardumes que entravam nos bancos de pesca e nas zonas de captura para pesca artesanal, “que é um sector que está a sofrer neste país”.
Para além das alterações climáticas, João Lima diz que a fraca captura deve-se a factores de ordem concorrencial.