Dirigentes políticos dos 15 países membros da CEDEAO, juntamente com a Mauritânia e o Chade, anunciaram que querem limitar a três o número de filhos por mulheres, a fim de reduzir para metade, até 2030, as taxas de natalidade.
“Os parlamentares da CEDEAO, Mauritânia e Chade concordaram que, até 2030, os Parlamentos devem encorajar os governos a implementar políticas para assegurar que cada mulher (...) tem no máximo três filhos para controlar o crescimento da população”, disse o presidente do Parlamento do Burkina Faso, Salifou Diallo, numa reunião regional sobre a demografia que teve lugar, em Ouagadougou.
Com uma taxa de natalidade de 5,6 filhos por mulher, a mais elevada do mundo, a população do espaço da CEDEAO chegará, em 2050, aos mil milhões de pessoas. Metade serão jovens, segundo dados da Organização das Nações Unidas. “Acreditamos que, quando as taxas de crescimento dos países se situam nos cinco a seis por cento, com uma taxa de natalidade entre os seis e os sete por cento, estamos perante uma situação demográfica descontrolada e não podemos esperar qualquer desenvolvimento”, afirmou Salifou Diallo, referindo sobre o equilíbrio entre crescimento populacional e económico.