A China abriu um pouco mais, esta semana, o seu mercado de títulos, o terceiro maior do mundo, ao capital estrangeiro, com o objectivo de internacionalizar a sua moeda e integrar-se ao sistema financeiro internacional , informou a AFP.
A plataforma chamada Bond Connect, operada a partir de Hong Kong, começou a funcionar esta segunda-feira, e permite aos investidores estrangeiros comprar títulos em yuanes do governo, das empresas e do Banco Central sem a necessidade de ter um escritório na China continental.
A China tem um mercado de dívida avaliado em quase 10 trilhões de dólares, o terceiro maior do mundo, atrás apenas
dos Estados Unidos e Japão.
Os “investidores qualificados” estrangeiros com acesso ao mercado chinês incluem bancos estrangeiros, fundos soberanos e outras instituições financeiras, anunciaram em conjunto o Banco Central da China (PBoC) e a autoridade monetária de Hong Kong.
A abertura coincide com as celebrações esta semana do 20º aniversário da entrega de Hong Kong a China por parte do Reino Unido, em 1997.
Os investidores já tinham acesso aos títulos chineses, mas no momento representam apenas 1,5 por cento dos investidores, segundo uma estimativa da agência Bloomberg.
As autoridades de Pequim estão abrir o país ao sistema financeiro mundial para atrair capital estrangeiro ante a desaceleração do crescimento doméstico e com o objectivo de internacionalizar a sua moeda, o yuan.visto que é atendida por diversas
instituições financeiras.
Com isto, o banco central permite igualmente que agências estrangeiras de classificação de crédito tenham acesso ao mercado nacional de títulos, da ordem de nove trilhões de dólares.