Xi Jinping e Donald Trump abordaram a recente melhoria nas relações entre Pyongyang e Seul, e comprometeram-se a reforçar a cooperação e a comunicação nesta matéria.
Xi insistiu que todas as partes devem unir esforços para aproveitar os avanços e criar as condições para retomar as negociações diplomáticas, visando a desnuclearização da península coreana.
As duas Coreias reuniram-se, na semana passada, para discutir a participação de atletas norte-coreanos nos Jogos Olímpicos de Inverno, depois de, no ano passado, os sucessivos ensaios nucleares de Pyongyang e a retórica beligerante de Trump elevarem a tensão para níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953).
Xi destacou que a cooperação económica e comercial entre a China e os Estados Unidos permitiu beneficiar de forma concreta os dois países, e apelou para que se empreguem métodos construtivos para solucionar as diferenças nesta matéria, através de uma maior abertura dos respectivos mercados.
Trump expressou a vontade de cooperar com a China na gestão adequada da relação económica e comercial, segundo
a imprensa oficial chinesa.
Trump voltou a lamentar a dificuldade no acesso ao mercado chinês, mas deixou claro que responsabilizava os seus antecessores pelo desequilíbrio comercial e elogiou repetidas vezes o seu homólogo, considerando-o “um homem muito especial”.
A conversação ocorreu numa altura em que a administração de Trump poderá agravar a política comercial contra a China.
O excedente comercial da China com os Estados Unidos aumentou 13 por cento, em 2017, o primeiro ano da presidência de Trump, para 1,87 mil miliões de yuan (239.000 milhões de euros), segundo dados oficiais de Pequim.