As fortunas de um grupo de 2.130 milionários chineses são tão valiosas como o produto interno bruto do Reino Unido, revelou recentemente o relatório Hurun. No topo da lista das pessoas mais ricas da China está o presidente da administração do grupo Evergrande, Xu Jiayin, com uma fortuna avaliada em 43 mil milhões de dólares (cerca de 36 mil milhões de euros). A instituição Hurun admite, contudo, que terão “inevitavelmente escapado” à lista alguns nomes como o de Sun Yafang, líder da Huawei.
Pelo menos mais 74 chineses entraram na lista com fortunas avaliadas acima dos 300 milhões de dólares, a somar aos 2.056 listados do ano anterior. Conjuntamente, estes 2.130 indivíduos somam 2,6 biliões de dólares (2,1 biliões de euros), ou o equivalente ao PIB do Reino Unido, a quinta maior economia do mundo. Na lista actual, houve algumas mexidas de posições.
Xu Jiayin, o presidente da administração do grupo Evergrande, sobe para a primeira posição com uma fortuna de 43 mil milhões de dólares. O primeiro lugar do ano passado caiu para a quinta posição em 2017: Wang Jianlin, do Wanda Group, perdeu 28 por cento da fortuna devido à queda
do preço das acções da empresa.
Ainda assim, a lista dos ricos da Hurun cresceu mais depressa do que em qualquer outro ano desde 2007 [início da recessão], talvez apenas com excepção de 2015, disse ao South China Morning Post o principal investigador e presidente do instituto Hurun, Rupert Hoogewerf.
O grupo Evergrande é o maior da China no sector imobiliário e, desde o início de 2017, as suas acções, na bolsa de Hong Kong, já subiram 465 por cento. Já Pony Ma Huateng, do Tencent, subiu para a segunda posição com uma fortuna de 37 mil milhões de dólares, deixando para o terceiro lugar o presidente executivo do Alibba, Jack Ma, com “apenas” 30 mil milhões de dólares.
A primeira mulher da lista surge só no quarto lugar: Yang Huiyan, vice-presidente e a maior accionista da Country Garden, triplicou a sua riqueza para 24 mil milhões de dólares.
Os empresários chineses fizeram um grande percurso. Em 1999, quando fiz a primeira lista, consegui reunir cerca de 50 pessoas. Hoje, esse número de pessoas é quase todo do grupo Alibaba”, adiantou Hoogewerf.
O instituto Hurun diz que os cálculos foram feitos com base nas demonstrações financeiras publicadas e noutros documentos divulgados até 15 de Agosto, mas não descarta a possibilidade de “inevitavelmente escaparem” alguns indivíduos, tais como Zhang Ruimin (Haier9, Peter Ma Mingzhi
(PingAn) e Sun Yafang (Huawei).
“Para cada um que encontrámos, estimamos que existam dois que nos escaparam”, o que leva a crer que a fortuna acumulada de todos os grandes empresários chineses supere a de muitas economias além da do Reino Unido.