A China vai autorizar o investimento privado na banca, caminho-de-ferro, telecomunicações e outros sectores reservados outrora às grandes empresas estatais, anunciou o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang.

“Iremos ampliar a vitalidade das empresas sob todas as formas de propriedade”, disse Li Keqiang no relatório apresentado na abertura da sessão anual da Assembleia Nacional Popular. É a primeira reunião plenária da Assembleia desde que a direcção do Partido Comunista Chinês reconheceu “o papel decisivo do mercado” no “aprofundamento global das reformas”, em Novembro passado.

Uma das reformas diz respeito ao sector financeiro. “Iremos promover firmemente o estabelecimento de pequenos e médios bancos privados” e “orientar o capital privado para investir em instituições financeiras”, anunciou Li Keqiang.

O investimento privado será também autorizado em “projetos de empresas do Governo Central”. Li Keqiang prometeu igualmente “abrir ainda mais a China ao mundo exterior em todas as áreas”. “Abriremos mundoremos mais sectores de serviços ao capital externo” e “nivelar o terreno para as empresas nacionais e estrangeiras competirem em termos justos, de modo a assegurar que a China permanece uma primeira escolha para o investimento externo”, afirmou.