A China tem reforçado o seu investimento no mercado português, com energia, banca e seguros no topo das preferências, mas os media também são alvo de interesse, com a entrada da KNJ na Global Media.
As empresas chinesas aproveitaram a ‘onda’ de privatizações em Portugal para reforçarem a sua presença, já que o país serve de porta de entrada para Europa e para os países de língua oficial portuguesa, isto sem falar na corrida às concessões de vistos ‘gold’.
O primeiro Fórum Económico Portugal-China, organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa e pela Fundação AIP, decorreu esta semana, em Lisboa, e teve como objectivo fortalecer a interacção entre empresas e instituições dos países.
A primeira privatização a arrancar, durante o Governo de Pedro Passos Coelho, foi a da EDP, em Dezembro de 2011, com o anúncio da venda de 21,35 por cento da eléctrica portuguesa à China Three Gorges, por 2,69 mil milhões de euros.
Em Fevereiro de 2012, foi a vez da venda da REN, com os chineses da State Grid a ficarem com 25 por cento do capital, pagando 387 milhões de euros pela posição na gestora das redes energéticas nacionais.

CANADÁ QUER MAIS IMIGRANTES
PARA FORTALECER A ECONOMIA

O Ministério da Imigração do Canadá anunciou que as alterações ao programa de imigração “Express Entry” entram em vigor a 19 de Novembro, para colmatar as necessidades laborais e crescimento económico da classe média no país.
“Comprometemo-nos a fazer mais para atrair para o Canadá imigrantes altamente qualificados e para se tornarem em residentes permanentes porque isso é importante construir a nossa ecónomia e fortalecer a nossa sociedade”, afirmou citado numa nota à imprensa, o ministro John McCallum. O responsável pela pasta da Cidadania, Imigração e Refugiados mostrou-se ainda “confiante que as alterações no ‘Express Entry’ serão uma das imensas mudanças que irão beneficiar o sistema de imigração”.
Das várias alterações, inclui-se a oferta de pontos para os candidatos elegíveis que já se encontrem no Canadá na Avaliação do Impato do Mercado de Trabalho (LMIA) excepto autorizações de trabalho, e para estudantes internacionais que completaram os estudos no Canadá. Além disso, será concedido mais tempo aos candidatos para apresentarem um pedido de residência permanente, a partir do momento em que recebido o convite para o requerimento.
Estas melhorias para o ‘Express Entry’ apoiam uma Estratégia Global de Competências, contribuindo para o crescimento económico do Canadá, impulsionam a inovação criando novos negócios, assistindo os empregadores a conseguirem atender às necessidades laborais.