A primeira cimeira Rússia-África que aconteceu em Sochi, nos dias 23 e 24 de Outubro, redefiniu as relações estratégicas entre o Continente Africano e a Rússia.
Vladimir Putin abriu a primeira edição co-presidida pelo Presidente egípcio Abdel Fattah Al-sissi, que também é o actual presidente da União Africana.
O Presidente da Rússia reafirmou a necessidade de intensificar as relações comerciais entre a Rússia e África, na presença de mais de 40 chefes de Estado africanos, entre outros convidados.
“Nos últimos cinco anos, o comércio entre a Rússia e os países africanos quase duplicou para mais de 20 mil milhões de dólares, senhoras e senhores, o que ainda é pouco. Dessa quantia, 7,7 mil milhões de euros representam o nosso comércio com o Egito, que representa quase 40 por cento, enquanto que em África existem vários parceiros muito promissores, com grande potencial de crescimento! Então é claro que ainda não é suficiente”, disse o Presidente da Rússia, Vladimir Putin.
O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que a cimeira Rússia-África passará a realizar-se de três em três anos. No encerramento do encontro, voltou a frisar que quer duplicar as trocas comerciais com o continente.
Nos próximos cinco anos, a Rússia espera que as trocas comerciais com o Continente Africano cheguem aos 40 mil milhões de dólares.
Um objectivo ambicioso, diz Olga Kulkova, investigadora do Instituto de Estudos Africanos da Academia de Ciências da Rússia.
“A Rússia quer encontrar o seu nicho e a sua direcção com parcerias em África. O objectivo é ambicioso: nos próximos cinco anos, o volume do comércio deverá duplicar de 20 mil milhões de dólares americanos (2018) para 40 mil milhões”, revelou.

Cooperação
O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, foi um deles.”Podemos aprender muito com a experiência das reformas em curso na Rússia com vista à transição de uma economia dependente do petróleo para uma economia moderna, diversificada e inclusiva”, declarou.
Também Cyril Ramaphosa, Presidente da África do Sul, mostrou-se confiante. “É nossa esperança que esta cimeira abra o novo e promissor capítulo sobre as relações entre a Federação Russa e o Continente Africano. O povo russo é nosso amigo de longa data, apoiou as nossas lutas pela libertação e independência”, disse.