Os ministros dos cinco países africanos afectados pela auto-estrada Abidjan-Lagos recomendaram, na segunda- feira passada, o arranque da sua construção a partir de 2014.

Esse trajecto deve ter extensão de 1.028 km. A validade dessa decisão depende da deliberação dos Chefes de Estado da Cedeao que devem reunir-se proximamente.

Os ministros da Côte d’ivoire, Ghana, Togo, Benin e Nigéria fazem parte do comité para gestão do projecto da auto-estrada entre Abidjan, a capital da Côte d’ivoire, e Lagos, o homólogo nigeriano.

Este corredor, com os seus 1.028 km, é o lar de cerca de 30 milhões de pessoas e serve como trânsito para 75 por cento do comércio na África Ocidental.

Ele conecta-se não apenas a algumas grandes cidades do Oeste africano, como Lagos,Cotonou, Acra, Lomé e Abidjan, mas também serve aos países encravados na sub-região, como Burkina Faso, Mali e Níger.

O comité de gestão do projecto deverá contar com os serviços financeiros do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), do Banco Mundial e da Africa Finance Corporation (AFC). Pretende-se também apelar aos Estados-membros dos BRICS (Brasil, Índia, China e
África do Sul), em particular à China e à Índia, para o financiamento da pesquisa, diz o comunicado.

Este projecto vai voltar para a decisão dos Chefes de Estado dos cinco países do corredor Abidjan-Lagos à margem da 42 ª sessão ordinária da conferência dos Chefes de Estado e de Governo da Cedeao, prevista para Yamoussoukro, Côte d’Ivoire. Estes são chamados para, finalmente, adoptarem o projecto na próxima cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Cedeao, em Abuja.