O crescimento económico alemão vai desacelerar no segundo trimestre, após um incomum fenómeno climático no Inverno ter alavancado a maior economia da Europa nos primeiros três meses de 2014, informou o relatório mensal do Ministério das Finanças.

O ministério disse que dados recentes sugerem que a Alemanha teve uma performance “muito forte” entre Janeiro e Março, acrescentando que o ímpeto positivo deve ter vindo da indústria e da construção, ambas beneficiadas por um Inverno mais ameno do que o comum.

“Devido ao crescimento económico impulsionado pelo clima no primeiro trimestre, os dados ajustados sazonalmente para o trimestre seguinte serão mais fracos”, disse o ministério.

“Mas esse efeito técnico não deve ser interpretado como um sinal de que a actividade económica está a enfraquecer”, acrescentou o ministério, que também afirmou que as tendências de alta de dados económicos e o optimismo nas empresas sobre o futuro mostram um cenário de expansão.

Dados recentes mostraram um crescimento nos pedidos industriais e na produção, num momento em que o sector privado está a expandir-se. Embora o humor dos investidores e dos negócios tenha arrefecido com a crise na Ucrânia, ele ainda permanece em alta.

O ministério afirmou que dados recentes dão motivos para acreditar que a economia está a apresentar um crescimento que será cada vez mais abrangente durante o ano.

O Governo espera um crescimento de 1,8 por cento neste ano, graças a um forte incremento no consumo privado, pois os consumidores estão a beneficiar de uma melhoria no emprego, salários mais altos e inflação moderada, num momento em que as baixas taxas de juros deixam a poupança menos atractiva.

Especialistas entrevistados pela Reuters esperam que a economia tenha crescido até 0,6 por cento no primeiro trimestre e possa crescer 0,4 no segundo.