O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou que o crescimento da economia de Macau desacelerou para 5,6 por cento em 2018, quando em 2017 a economia do território cresceu 9,7 por cento.
O FMI aponta que a “receita do jogo e turismo voltou a crescer em 2017 e no início de 2018“, mas que na segunda metade do ano passado foi registado “um crescimento moderado um investimento menor e a redução do jogo VIP“, derivado da desaceleração da economia chinesa e das “tensões comerciais entre os EUA e a China”.
Em Abril, ainda na primeira metade do ano, o FMI tinha antecipado um crescimento de 7 por cento em 2018. “A inflação aumentou em 2018, impulsionada pelos preços da habitação, alimentos e energia. O crédito continuou a aumentar ao longo de 2018, enquanto a taxa de juro de empréstimos aumentou ligeiramente”, lê-se na análise
à economia de Macau.
A instituição ressalva que o desemprego continua baixo. De acordo com dados do governo de Macau, o desemprego no território fixou-se nos 1,8 por cento em 2018, um valor que representa uma melhoria de 0,2 pontos percentuais em relação a igual período do ano passado.

Desaceleração
Em 2019, o crescimento deverá diminuir um ponto percentual, para os 5,5 por cento, segundo o FMI. Esta desaceleração em 2019 deve-se porque o FMI estima que, apesar do crescimento do turismo e do jogo de massas, as receitas provenientes do jogo VIP vão diminuir este ano e, por essa razão, os impostos directos sobre o jogo vão encolher.
Em 2018, os impostos directos 35 por cento das receitas brutas, sobre o jogo representaram 79,6 da totalidade das receitas públicas de Macau, segundo dados oficiais das autoridades do território.
Como factor desestabilizador para a indústria do jogo, o FMI diz que a aposta no jogo por parte de alguns países emergentes asiáticos pode começar a desviar turistas de Macau.