O governo cubano espera conseguir captar três mil milhões de dólares de investimento directo estrangeiro, nos próximos anos, para desenvolver fontes de energia renováveis, que surgem como uma aposta estratégica na ilha das Caraíbas. Actualidade, o estado cubano não dispõe desta verba, mas projectos de colaboração e investimentos conjuntos com empresas estrangeiras poderão contribuir para viabilizar o projecto das renováveis, avançou o vice-Presidente cubano, Marino Murillo, citado pela agência noticiosa chinesa Xinhua.

Ao intervir no Congresso da Central dos Trabalhadores de Cuba, Marino adiantou que este projecto de investimento tem como horizonte 2030. Por essa altura, a ilha quer ir buscar às renováveis 20 por cento da sua produção eléctrica. Cuba produz 94 por cento da energia que consome a partir de centrais termoeléctricas alimentadas com base no petróleo, estando o custo do KW/hora fixado nos 0,22 dólares.

As renováveis permitem reduzir custos de produção e obter ganhos económicos, na medida em que levarão a uma diminuição da quantidade de petróleo necessário para gerar electricidade, além de tornarem mais eficiente o seu uso. Nos últimos anos, Cuba instalou quatro parques eólicos e um de painéis solares, tendo começado igualmente a produzir electricidade a partir da biomassa resultante do processamento da cana de açúcar.