A dívida externa de Moçambique aumentou em 10 por cento para 9.487,9 milhões de dólares (8,4 mil milhões de euros) em 2017, refere a Conta Geral do Estado (CGE) apresentada esta semana pelo Governo moçambicano na Assembleia da República.
A CGE não faz menção específica às chamadas dívidas ocultas, secretamente avalizadas pelo anterior executivo moçambicano entre 2013 e 2014, tratando todos os encargos de forma mais geral.
O documento apresentado esta quarta-feira refere que a dívida interna também subiu, entre 2016 e 2017, tendo incrementado em 21,9 por cento para 106.899,6 milhões de meticais (1,5 mil milhões de euros). “O crescimento da dívida interna em 2017 justifica-se pela transição do saldo de bilhetes de tesouro de 2016 para 2017 no valor de 21,6 mil milhões de meticais (372 milhões de euros), bem assim a emissão de obrigações do tesouro no valor de 11,4 mil milhões de meticais (159 milhões de euros) para o financiamento do défice orçamental”, lê-se na conta.
Em 2017, o Estado moçambicano realizou despesas no valor de pouco mais de 272 mil milhões de meticais (3,2 mil milhões de euros) e arrecadou receitas de mais de 186 mil milhões de meticais (2,6 mil milhões de euros), superando em 114,4 por cento a meta prevista. A CGE moçambicano é apresentada à Assembleia da República com cerca de um ano e meio de atraso em relação ao período a que se refere. Em 2017, o Estado gastou 3,2 mil milhões de euros e apenas arrecadou 2,6 mil milhões de euros.