O Banco de Cabo Verde anunciou uma projecção de crescimento da economia cabo-verdiana de 4,5 por cento, em 2018, uma subida de 0,5 pontos percentuais em relação ao ano transacto.
Já a previsão de inflação, que foi de 0,8 por cento em 2017, aponta para uma taxa de 1,3 por cento este ano.
O mais recente relatório do banco central cabo-verdiano esclarece que a revisão em alta para 2018 dos valores de crescimento económico aponta, comparativamente às projecções de Abril, para um contributo mais robusto da procura externa líquida e mais ténue do consumo e do investimento privado para o crescimento, assim como para um crescimento mais contido dos preços no consumidor.
O BCV aponta a expectativa da sustentação do crescimento das exportações de bens e serviços, algo próximo dos níveis observados no primeiro semestre, impulsionado pela sólida procura de pescado, de combustíveis e víveres nos portos e turística, bem como pela recuperação das exportações de serviços de transporte, como âncoras para este crescimento.
O consumo privado também deverá “manter-se robusto”, assinala o BCV, que alerta ainda assim para uma desaceleração do seu crescimento, “justificada sobretudo pelo efeito de base”.
As perspetivas para o consumo privado ancoram as expectactivas de aumento dos rendimentos salariais, também em função do emprego da população activa afectada pela seca de 2017, das remessas de emigrantes e dos rendimentos das empresas.
Enquanto isso, as expectactivas de aceleração do consumo público foram revistas em baixa e “continuam a ser justificadas, principalmente, pelo aumento da massa salarial, a qual se adicionam as transferências para os municípios e as famílias (directamente), no quadro do programa de mitigação da seca, e das aquisições de bens e serviços a terceiros.
A nível do comércio externo, o BCV prevê que as exportações e reexportações de bens mantenham um forte ritmo de crescimento, para acomodar a procura de mercadorias tradicionais e não tradicionais de mercados, também mais diversificados.