Uma delegação de representantes de empresas estatais cubanas está nos EUA para promover opções de negócio no seu sector marítimo-portuário, particularmente na Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel (ZDEM), o ‘projecto estrela’ para atrair investimento estrangeiro à ilha.
Os empresários cubanos chegaram aos Estados Unidos no sábado, um dia depois da investidura de Donald Trump como novo inquilino da Casa Branca, e têm previsto um amplo programa até ao próximo dia 3 de Fevereiro, que inclui a visita a seis portos norte-americanos, publica o ‘site’ oficial Cubadebate, citado pela agência de notícias Efe.
Durante a visita, a Administração Portuária Nacional de Cuba e as autoridades dos portos de Florida e Alabama assinaram memorandos de entendimento.
Cuba, que atravessa uma complicada cojuntura económica, necessita de investimento estrangeiro, estando actualmente a promover a sua nova carteira de negócios, que contém 395 projectos no valor de 9.500 milhões de dólares, 24 deles na zona de Mariel, uma zona franca que oferece possibilidades de investimento com benefícios fiscais.
Os Governos de Washington e de Havana restabeleceram relações diplomáticas em Julho de 2015, durante o mandato do ex-Presidente norte-americano Barack Obama.
Nas últimas semanas, Cuba e os EUA aceleraram os intercâmbios bilaterais e a assinatura de acordos em diversas áreas, para afinar o processo de normalização de relações na presidência de Trump, que se tinha manifestado abertamente contrário a esta aproximação e partidário de “um melhor acordo”. O grupo é integrado por Ana Teresa Igarza, directora da ZEDM; José Sosa, director-adjunto do Terminal de Contêineres de Mariel; Eradis González, presidente da Armazéns Universais S.A.; René R. Fernández, director de Transporte Marítimo e Fluvial do Ministério do Transporte e outros funcionários do governo.