Mais de 30 empresários participaram esta semana numa Feira de Empresas, na Guiné-Bissau, para discutir oportunidades de negócio. A feira foi organizada pelo Instituto de Formação Profissional da CE-CPLP e no âmbito de uma parceria entre a União Europeia, a Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP), o Ministério da Economia e Finanças guineense, do Aicep e da Câmara do Comércio Agricultura, Indústria e Serviços da Guiné-Bissau.
“O grande objectivo que temos é criar um espaço de valor acrescentado à matéria-prima local, transferindo tecnologia, criando postos de trabalho, e fazer a bola rolar para o desenvolvimento sócio-económico dos nossos países da CPLP, neste caso a Guiné-Bissau”, afirmou Salimo Abdula, presidente da CE-CPLP.
Na Guiné-Bissau, referiu, há previsões de uma estabilidade política e social que vai criar “condições para que os empresários apostem cada vez mais” no país.
O responsável salientou que a Guiné-Bissau é um país “cheio de oportunidades para desenvolver no sector agro-industrial, turismo, serviços e outras oportunidades que os empresários saberão identificar”.
O presidente da CE-CPLP defendeu também que se deve dissociar as “questões de oportunidade de investimento, das questões meramente políticas.