E se o lançamento de um negócio próprio fosse uma brincadeira para crianças? Na Estónia, uma “vila empresarial” utiliza a diversão para inspirar
futuros empreendedores.
Pouco mais de um terço dos europeus sonham ser empresários em comparação com mais de metade dos americanos ou mesmo chineses. “Creio que é porque não está na nossa cultura. Sempre foi mais fácil e conveniente ser funcionário, em vez de começar um negócio próprio. Tem funciononado muito bem para os europeus, mas vai mudar”, explica o empresário Mehis Pärn.
Enquanto se divertem, as crianças adquirem uma experiência prática de empreendedorismo. Através da interpretação de papéis, as crianças entre os 5 e os 18 anos familiarizam-se com os problemas enfrentados pelos empresários. Esta tomada de consciência aumenta as possibilidades de um dia
começarem o próprio negócio.
“Creio que através destes jogos, as crianças vão desenvolver a capacidade de trabalho em equipa, de comunicação e a perceber como o dinheiro entra e sai na vida quotidiana. Infelizmente, não ensinamos isso o suficiente nas escolas”, diz o professor de História, Rainer Tonnis.
Criada há um ano, a vila empresarial recebeu 2.500 alunos e professores. Os professores aprendem com os erros enquanto se divertem como as crianças. “A nova economia traz novos modelos de negócio e inovações mais rápidas. Mais trabalho independente, uma economia partilhada e mais mudanças de carreira vieram para ficar. Portanto, as pessoas e as empresas precisam de estar preparadas – está tudo a mudar constantemente”,
acrescenta Mehis Pärn.
Esta é a missão da vila empresarial. A iniciativa está seleccionada para os prémios europeus de promoção empresarial, uma competição organizada pela Comissão Europeia, nos últimos 11 anos. Os vencedores vão ser anunciados a 23 de novembro, em Tallinn.
Entretanto, a Estónia, um dos três países bálticos, situado na Europa Setentrional, constituído por uma porção continental e um grande arquipélago no mar Báltico, foi apontado no início deste ano pelo World Economic Forum como líder do ranking do empreendedorismo na Europa.
Há alguns anos que a Estónia virou um exemplo de inovação e empreendedorismo mundial; um país de 1,3 milhão de habitantes tem hoje mais de 400 startups – existe cerca de 1 startup para cada 2.000 habitantes, a nação mais empreendedora do mundo; supera Israel
e chega perto do Vale do Silício.
A tecnologia da informação levou a Estónia a se tornar num dos países menos burocratizados do mundo, criando um ambiente propício para
empreendedores de todo o mundo.