O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, considerou que a proposta franco-alemã de orçamento da zona euro pode ser “um avanço para Dezembro” e remeteu a questão italiana para a decisão da Comissão na sexta-feira.
“Há um tópico importante na nossa agenda, que é o contributo da França e da Alemanha para o orçamento da zona euro”, disse Centeno, em declarações à entrada para uma reunião dos ministros das Finanças da zona euro, que hoje decorre no formato inclusivo, a 27, sobre aprofundamento da União Económica e Monetária (UEM).
O acordo franco-alemão, salientou o ministro das Finanças, “pode ser um avanço para Dezembro”, dizendo esperar ter um “forte pacote” para apresentar aos líderes no Conselho Europeu de Dezembro.
Questionado sobre “o elefante na sala” - o conflito entre Roma e a Comissão Europeia em torno do projecto de orçamento, Centeno remeteu o tema para sexta-feira, dia em que o executivo comunitário emite um parecer sobre os orçamentos dos Estados-membros para 2019 e uma decisão sobre Itália.
“Acompanhamos a situação de muito perto, mas agora está nas mãos da Comissão”, disse.
Na cimeira do euro, em 14 de Dezembro, a agenda será dominada pelo aprofundamento da UEM, nomeadamente a possibilidade de orçamento comum para os 19 países da moeda única.
Em Junho, França e Alemanha defenderam, numa declaração conjunta, a reforma da zona euro que inclua um orçamento comum e uma reconversão do fundo de resgate numa espécie de Fundo Monetário Internacional europeu, acrescentando que um orçamento comum poderia estar no terreno a partir de 2021.