O excedente comercial como o registado pela Alemanha contribuem para o clima de tensão comercial actual, com Berlim a promover medidas “hesitantes” para reduzir o diferencial entre exportações e importações.
A tensão comercial é uma realidade e a Alemanha está a contribuir para ela, considera o Fundo Monetário Internacional (FMI).
No entender do economista-chefe do Fundo, Maury Obstfeld, a relutância de Berlim em adoptar medidas que permitam reduzir os níveis do excedente comercial alemão faz com que a Alemanha contribua para alimentar o clima de tensão, o que ameaça a estabilidade financeira global.
Num artigo de opinião publicado esta semana, no diário alemão Die Welt, Maury Obstfeld considera que o governo germânico continua a cingir-se a medidas “hesitantes” para alterar o estado actual.
FMI e Comissão Europeia há muito vêm alertando para a importância de Berlim adoptar políticas de promoção do consumo interno tais como aumento dos salários e investimento, o que penaliza não apenas os restantes Estados-membros da Zona Euro mas também os Estados Unidos, que mantêm uma enorme défice comercial face à Alemanha.