A Fiat Chrysler prepara-se para eliminar os motores a gasóleo nos seus veículos de passageiros até 2022. A decisão deve-se ao custo crescente de produção de motores a gasóleo de forma a conseguir cumprir uma política de limitação de emissões poluentes cada vez mais restritiva.
Em consequência, os custos de produzir estes motores vão sofrer um aumento de 20 por cento, tornando estes automóveis mais caros para os clientes. A notícia está a ser avançada pelo Financial Times.
A empresa quer somente motores a gasolina nas suas marcas Fiat, Alfa Romeo, Chrysler, Maserati, Jeep, Ram e Dodge daqui a quatro anos. Esta medida está inserida num plano de quatro anos que vai ser apresentado em Junho pela marca italo-americana.
Os motores a gasóleo na Europa estão assim sob pressão depois de ter rebentado o escândalo “dieselgate” da Volkswagen em 2015. Várias cidades europeias também já anunciaram a sua intenção de banir os carros a gasóleo no futuro, como Paris ou Copenhaga.
As vendas de carros a gasóleo na Europa desceram 8 por cento em 2017, com uma quota de mercado de 43,8, segundo dados da Jato Dynamics.
Em Portugal, os carros a gasóleo pesaram 65,1 por cento nas vendas totais em 2016.
A percentagem máxima foi atingida em 2013 quando pesaram 72,3 por cento.