O fosso entre ricos e pobres aumentou no ano passado, de acordo com o último relatório da Oxfam, confederação de organizações não-governamentais, divulgado antes do encontro de Davos. O relatório, da ONG com sede em Nairobi, no Quénia, que tem como título “Bem Público ou Riqueza Privada”, aborda a actual desigualdade no mundo, e adianta que os mais ricos escondem do fisco, em contas off-shore 7,6 biliões de dólares. Segundo o documento, o número de multimilionários quase duplicou desde a crise financeira, esta desigualdade será discutida aqui no Fórum Económico Mundial”. O fundador do Facebook Mark Zuckerberg, o patrão da Amazon, Jeff Bezos e o empresário francês Bernard Arnault, presidente do grupo que é dono da Louis Vuitton, fazem parte da lista de 26 bilionários que, segundo a Oxfam, têm entre mãos tanto dinheiro como a metade mais pobre da humanidade. “Esta negligência nos serviços públicos e a incapacidade de cobrar impostos às empresas e particulares mais ricos está a deixar as pessoas com raiva, e a alimentar a ira pública. Estamos a ver pessoas nas ruas na Europa”, explica. A directora-executiva da Oxfam International, Winnie Byanyima, frisou que está a ver “populistas” a captarem esta ira da população e a manipulá-la. “Estamos a ver as nossas democracias a serem minadas por essa desigualdade extrema”, frisa. A directora da Oxfam adianta ainda que “no ano passado e enquanto a riqueza dos bilionários cresceu dois mil e quinhentos milhões de dólares, por dia, 3.800 milhões de pessoas perdiam também todos os dias, 500 milhões de dólares. Na antecâmara do Fórum Económico Mundial, em Davos, a Oxfam apela aos governos para “garantirem que as empresas e os mais ricos paguem a parte dos impostos que lhes corresponde”.