O grupo China Huayang Economic and Trade Group Co. constituiu um fundo com uma dotação de três mil milhões de dólares para a realização de investimentos no Brasil ou de empresas brasileiras interessadas em expandirem-se para a China, noticiou o jornal brasileiro Valor Económico.
A Câmara de Comércio de Desenvolvimento Internacional Brasil-China (CCDIBC) representa no país o fundo criado pelo grupo Huayang, com capital estatal e próprio, e opera como um banco de projectos, respondendo pela primeira avaliação das propostas.
A CCDIBC oferece ainda serviços de consultoria para adequar a solicitação dos interessados às exigências chinesas, antes do envio para análise de crédito e garantias pelo fundo de investimentos sediado em Hong Kong.
Fabio Hu, presidente da CCDIBC, disse esperar fechar contractos ainda este ano e citou algumas actividades prioritárias – infra-estruturas e logística, construção civil, agro-negócio, parcerias público-privadas (PPP), concessões públicas, tecnologia, iniciativas empresariais, produção de automóveis e camiões eléctricos e energia (solar, eólica, hidroeléctrica, centros de tratamento de resíduos e petróleo e gás.
Hu disse ao Valor Económico que a câmara permitirá dar mais agilidade à concessão de financiamento e recordou que os processos de concessão de empréstimos pelo estatal Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social ou mesmo de bancos chineses já estabelecidos no Brasil, como o Banco da China ou o Banco de Construção da China, “demoram muito tempo.”
O presidente da CCDIBC recordou ainda que o fundo estatal sino-brasileiro com uma dotação inicial de 20 mil milhões de dólares, apresentado oficialmente em São Paulo dia 30 de Maio de 2017, ainda
não aprovou um único projecto.