Os furacões Irma e Harvey podem ter causado juntos um prejuízo total de até 200 mil milhões de dólares, um valor equivalente ao provocado pelo furacão Katrina em Nova Orleans em 2005, de acordo com as estimativas mais recentes feitas pela consultoria Moody’s Analytics, que foi retomada pela agência EFE.
A companhia alertou que o prejuízo do Irma, que atingiu a Flórida, como um furacão de categoria 4, fica entre os 64 e os 92 mil milhões de dólares. Já os danos provocados pelo Harvey, que devastou parte do Texas, podem chegar aos 108 mil milhões. Muitos dos países da África subsahariana, entre os quais Angola, têm como orçamentos anuais pouco mais de 30 mil milhões de dólares. Desde logo, vê-se que os furacões roubam milhões de que muitas economias necessitam para a sua sobrevivência.
De acordo com o economista-chefe da Moody’s Analytics, Mark Zandi, juntos, Irma e Harvey deixarão entre 150 e 200 mil milhões de dólares em danos provocados contra imóveis, veículos, lojas e infra-estruturas públicas.
Lembrou que o furacão Katrina, que atingiu o estado da Louisiana em 2005 e é considerado o desastre natural mais caro da história dos EUA, provocou prejuízos de 160 mil milhões de dólares, de acordo com a Administração Oceânica e
Atmosférica Nacional do país.
Segundo o consultor Zandi, a reconstrução das áreas destruídas pelos furacões Irma e Harvey acelerará a economia dos EUA no IV trimestre deste ano e no início de 2018. Para ele, o impacto económico dos dois fenómenos no longo prazo deve ser “nulo”.
Desde logo, todos os avanços ou retrocessos, com os seus efeitos positivos ou negativos, no mercado norte-americano tem efeitos na economia mundial.