A Grécia começou esta semana a  primeira greve geral do ano, uma mobilização arquitetada pelos principais sindicatos do país contra a lei que engloba todas as medidas necessárias para fechar a segunda revisão do programa de resgate.
O pacote legislativo, que foi já debatido no parlamento e cuja votação foi feita ontem quinta-feira, inclui um corte nas pensões a partir de 2019 e subidas de impostos a partir de 2020.
Os sindicatos baptizaram esta medida de “quarto memorando” por se tratarem de ajustes adicionais, não previstos no terceiro resgate, que se aplicarão quando terminar o programa actual.
A greve foi apoiada também pelos controladores aéreos que deixarão de trabalhar, pelo que foram cancelados todos os voos desde e para o aeroporto de Atenas.
Os autocarros e eléctricos da região da capital, que já começaram uma série de greves na terça-feira, permaneceram nas
garagens durante toda a noite.