Os Governos da Zona Euro aprovaram ontem mais uma tranche de pagamento à Grécia no valor de 317,6 mil milhões de kwanzas. O montante deverá ser recebido nas próximas semanas, depois dos parlamentos dos Estados-membros da zona comunitária aprovarem o desbloqueio.

Para que esta nova tranche tivesse luz verde, o Governo de Atenas teve de aprovar, de urgência, ontem, um projecto de lei sobre a reforma dos impostos e a redução dos funcionários do sector público, o último das 22 condições estabelecidas pelos credores internacionais. O diploma votado estabelece um código de procedimento fiscal mais exigente e completa a lei que já havia sido votada a 18 de Julho sobre a redução do sector público.

Nas próximas semanas a Grécia deverá ainda receber 228,7 mil milhões do Fundo Monetário Internacional e deverá recuperar cerca de 190,5 mil milhões de kwanzas em lucros obtidos através de títulos de dívida grega detidos por vários bancos centrais europeus.

Porém, o esforço da Grécia para satisfazer as condições dos credores pode ainda ter de continuar. O jornal grego “Kathimerini” teve acesso a documentos que indicam que a Grécia poderá ter de manter a taxa de emergência sobre as propriedades durante o próximo ano caso o Governo não consiga criar uma taxa única sobre as propriedades até ao final de Setembro. Se estiver pronta a tempo, o novo imposto terá de gerar 343 mil milhões de kwanzas em 2014.

O pacto entre o Executivo helénico e a troika prevê ainda a venda de uma posição substancial do Eurobank, que detém activos quase no valor de 10.164,6 mil milhões de kwanzas. O acordo de venda terá de estar fechado, pelo menos, até Março de 2014.