Desde que começou a apoiar o Arsenal, em meados da década de 1980, Alhaji Aliko Dangote cobiça o clube inglês, Arsenal. Durante uma entrevista à agência Bloomberg, entre vários temas como a vontade de investir entre 17 e 42 mil milhões de euros na Europa e nos Estados Unidos até 2025, com especial destaque para os sectores das energias renováveis e da petroquímica, também voltou a assumir a vontade de comprar a equipa da Premier League.
A primeira ordem do bilionário nigeriano Aliko Dangote se conseguir comprar o Arsenal, clube de futebol da Premier League inglesa, será demitir o treinador, Arsène Wenger.
“A primeira coisa que eu irei mudar será o treinador. Ele fez um bom trabalho, mas há mais pessoas que podiam tentar a sua sorte”, disse.
Recentemente, o francês, desde 1996 à frente do Arsenal, renovou contrato com os londrinos por mais duas temporadas.
Alhaji Aliko Dangote vai analisar a possibilidade de apresentar uma oferta quando a construção de uma refinaria de petróleo de 11 mil milhões de dólares norteamericanos na capital comercial da Nigéria, Lagos, estiver concluída.
O maior accionista do Arsenal é o multimilionário norte-americano Stan Kroenke, que controla quase 67 por cento da empresa.
No começo deste ano, o bilionário russo Alisher Usmanov, que já detém uma participação de 30 por cento, procurou comprar a parte de Kroenke com uma oferta que avaliou o Arsenal em 2 mil milhões de libras (cerca de 2,6 mil milhões de dólares).
Dangote, 60, acredita que não terá problemas para convencer Kroenke e Usmanov a vender.
“Se eles receberem a oferta certa, tenho certeza de que se afastariam”, disse ele. “Alguém vai fazer uma oferta a eles que os fará considerar seriamente a possibilidade de irem embora. E quando terminarmos a refinaria, acho que estaremos em posição de fazer isso”.