O investimento externo directo na China aumentou 16,1 por cento em Janeiro passado, somando 10.760 milhões de dólares (7.840 milhões de euros), anunciou recentemente o Ministério do Comércio chinês. Quase 90 por cento deste montante, 9.550 milhões de dólares (6.960 milhões de euros), vieram de um conjunto de dez países e de regiões asiáticas, nomeadamente Hong Kong, Taiwan, Japão, Tailândia e Singapura, indicou a mesma fonte. Comparando com Janeiro de 2013, o investimento proveniente daquele grupo de países e regiões aumentou 22,2 por cento, enquanto o da União Europeia caiu 41,25 e o oriundo dos EUA cresceu 34,9, para 369 milhões de dólares (270 milhões de euros).

A área dos serviços atraiu 6.330 milhões de dólares (4.615 milhões de euros), correspondendo a 58,8 por cento do total. Os números “ilustram a confiança dos investidores internacionais” na economia chinesa, disse um apresentador da Televisão Central da China.

Este foi o segundo importante indicador divulgado pela China no espaço de uma semana.

Na terça-feira passada, a administração geral das Alfândegas chinesas anunciou que o comércio externo do país cresceu 10.3 por cento no primeiro mês do ano, para 382.400 milhões de dólares (280.530 milhões de euros), com um saldo de 31.860 milhões de dólares (21.370 milhões de euros) favorável à China.

Também, em Janeiro de 2014, o investimento da China fora das suas fronteiras aumentou 47,2 por cento em relação a igual periodo do ano passado, para 7.230 milhões de dólares (5.270 milhões de euros). A China é a segunda economia mundial, a seguir aos EUA, e o primeiro exportador.

Em 2013, o produto interno bruto chinês cresceu 7,7 por cento, excedendo a meta de “cerca de 7,5 por cento” preconizada pelo Governo.