O Investimento Directo Estrangeiro deverá duplicar em Moçambique, no próximo ano, atingindo cerca de 5,7 biliões de dólares, contra 2,8 biliões de dólares do fluxo previsto para este 2018, segundo dados que constam da proposta do Orçamento do Estado
de 2019, submetido há dias no Parlamento. Segundo o jornal moçambicano “O País”, a entrada de capitais estrangeiros no país,
será o segundo valor máximo desde 2010. O maior valor que há registo foi em 2014, ano em que Moçambique absorveu cerca de 6,1 biliões de dólares, segundo consta da proposta do Orçamento do Estado de 2019. O fluxo de Investimento Directo Estrangeiro deverá situar-se nos 5,7 biliões de dólares, em 2019, ou seja, o dobro do montante a se registar até Dezembro do corrente ano. A nova vaga do Investimento Directo Estrangeiro acontece numa altura em que o país espera receber investimentos bilionários da indústria de gás e petróleo, com destaque para o projecto Golfinho Atum, da petrolífera norte-americana, Anadarko. A decisão final do investimento desta multinacional, com valores a rondar os 30 biliões de dólares, deverá ser tomada no primeiro semestre de 2019.