O Governo japonês vai avançar em 2015 com um sistema de incentivos para as empresas que tenham mais trabalhadoras ou mulheres em cargos de responsabilidade, numa tentativa de fomentar uma maior igualdade no mercado laboral.

O programa entrará em vigor durante o próximo ano fiscal (Abril de 2015), avançou o diário Nikkei, e será a primeira medida concreta do Executivo de Shinzo Abe para contrariar a baixa participação laboral feminina e a quase insignificante presença de mulheres em altos cargos.

A taxa de emprego feminina no Japão foi de 62,5 por cento em 2013, enquanto a masculina ascendeu a 80,6. Ainda assim, a proporção de mulheres em cargos de responsabilidade é de 5, taxa que Abe se comprometeu a aumentar até 30 em 2020, no âmbito do seu ambicioso plano de crescimento económico.

O sistema de incentivos consistirá em dar uma maior pontuação às empresas que tenham mais trabalhadoras ou mais executivas nos seus quadros, durante os processos de contratação pública.

Numa primeira fase, o programa de incentivos será aplicado às licitações públicas para contratar empresas de bens e serviços, nas quais o Estado gasta anualmente 167.000 milhões de euros.

A iniciativa estender-se-á gradualmente a outros processos de selecção para contratos de obras públicas, segundo o diário económico japonês.