Turismo, construção, energias renováveis e gestão da água são alguns dos sectores que oferecem oportunidades de investimento em Cabo Verde, segundo a principal confederação empresarial espanhola, a CEOE, que acolhe no dia 13 deste um debate sobre o tema.

“Cabo Verde mostra um perfil interessante do ponto de vista económico, tem mantido desde 1980 uma das trajectórias económicas mais estáveis da África Subsahariana, o que lhe permitiu ascender à lista de países de rendimento médio em Janeiro de 2008 e atingir um dos melhores níveis na região em termos de poder de compra”, destaca Jesús Banegas, presidente da secção internacional da CEOE.

Banegas refere que o poder de compra de Cabo Verde é o mais alto da região e que o país é um comprador potencial “em praticamente todos os sectores”, dada à sua dependência externa.

A Confederação Espanhola de Organizações Empresariais (CEOE) destaca que Espanha é “o primeiro parceiro comercial de Cabo Verde” e o arquipélago ser “um dos países africanos com maior estabilidade política”, às portas de um mercado de 300 milhões de pessoas.

Espanha, refere a CEOE em comunicado, é o principal destino das exportações cabo-verdianas (76,3 por cento do total) com mais de 40 empresas espanholas, a grande maioria das Ilhas Canárias, a terem um investimento directo de mais de 26 milhões de euros.

Além do turismo a CEOE refere que continua a haver grandes oportunidades em construção e materiais de construção, à expansão da infra-estrutura marítima, aeroportos e estradas.