A praça alemã DAX avança 0,58 por cento para 12,692.75 pontos, enquanto a francesa CAC 40 sobe 0,79 por cento para 5,364.75 pontos. O diretor de mercados de capitais Mint Partners, com sede em Londres, Bill Blain explicou que os dados do crescimento da Europa “são menos voláteis estão a sair-se relativamente bem em comparação com os EUA, Reino Unido e Japão”, em declarações à Bloomberg, acrescentando que os alguns investidores globais “perderam a fé na recuperação dos EUA e no salto Trump”.
O gestor da corretora XTB, João Tenente, diz ainda que, nas bolsas europeias, “estão a ser testados os máximos de ontem e existe uma forte probabilidade de continuarmos a assistir a um período corretivo, após as quedas acentuadas da passada semana”. “Para já, verificamos uma acalmia dos mercados depois da tensão criada por Trump, havendo condições para a continuação de movimentos de correcção”.
No Reino Unido, o FTSE 100 sobe 0,19 por cento, apesar de o país estar a ser abalado pelo ataque terrorista esta segunda-feira à noite. Junto à Arena de Manchester, onde acontecia um concerto de Ariana Grande, um homem fez explodir uma bomba que matou 22 pessoas e feriu outras 59. Durante a madrugada, a libra esterlina depreciou-se face às pares japonesa, europeia e norte-americana, mas suavizou as perdas ao longo da manhã.