A Chanceler alemã, Angela Merkel começou,na última quarta-feira, um périplo pela Africa Ocidental. A visita tem como primeira etapa o Senegal, seguindo-se o Ghana e Nigéria.
A ronda africana de Merkel tem, sobretudo, um pendor económico, tendo deixado em segundo plano os dossiers ligados à imigração. A Alemanha pretende reforçar a sua presença no continente africano.
Trata-se duma viagem relâmpago ao Senegal, onde a chanceler se encontra desde quarta-feira última, e onde ficarou menos de 24 horas. Merkel faz-se acompanhar duma delegação de homens de negócios com o objectivo de intensificar as relações comerciais entre os dois países.
No Senegal, Berlim tem apostado nas energias renováveis e na eficácia energética. Na África Ocidental, a Alemanha tem, sobretudo, investido em países anglófonos.
Em termos políticos, o objectivo de Merkel é dizer ao Senegal que a sua intervenção nas crises regionais no Mali e na Gâmbia foi muito
apreciada por Berlim.
Por outro lado, o ministro alemão da Cooperação Económica e Desenvolvimento, Gerd Muller, iniciou no último fim-de-semana uma visita a Mocambique.
Muller teve domingo um encontro com o ministro da Economia e Finanças moçambicano Adriano Maleane.
Gerd Muller esteve em Mocambique para avaliar o estado das relações de cooperação entre a Alemanha e Mocambique, bem como visitar projectos financiados pelo seu país na cidade da Beira.
A república federal da Alemanha vai ajudar Mocambique a instalar um centro de inovação agrícola, para que o país possa tirar melhor proveito das suas potencialidades na referida área, segundo assegurou Gerd Muller.
Gerd Muller falava no final de uma audiência com o ministro moçambicano da Economia e Finanças Adriano Maleane que revelou, que outros questões foram abordados no âmbito das relações de cooperação entre os dois países.