A economia de Moçambique cresceu 2,9 por cento no primeiro trimestre face ao período homólogo e registou uma expansão de 1,8 por cento face ao último trimestre do ano passado, de acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas moçambicano. O crescimento dos primeiros três meses deste ano fica abaixo das previsões das instituições internacionais, que apontam para um crescimento anual superior a quatro por cento.
A Capital Economics prevê que Moçambique cresça 4,5 por cento este ano, crescendo cinco por cento em 2018 e 5,5 por cento em 2019, depois de no ano passado o país ter registado o mais baixo crescimento dos últimos 15 anos, com uma expansão da riqueza na ordem dos 3,3 por cento. O Fundo Monetário Internacional, por seu turno, antevê uma expansão da riqueza moçambicana de 4,5 por cento este ano, acelerando depois para 5,5 por cento.
Em Maio, o Presidente da República, disse esperar que a economia cresça 5,5 por cento já este ano, bem acima das previsões de Helena Afonso, analista de assuntos económicos com o pelouro de África nas Nações Unidas, que disse em maio à Lusa que a previsão de crescimento da economia de Moçambique foi revista em baixa de 5,5 por cento para cerca de quatro por cento.
“O problema da liquidez é um dos principais riscos para a economia moçambicana, que tem impactos sobre o nível de endividamento estrangeiro e sobre o Orçamento”, acrescentou a analista, salientando que “a instabilidade macroeconómica também não ajudará o
desempenho da economia”.
Já em Fevereiro, a Economist Intelligence Unit (EIU) tinha previsto que a economia de Moçambique cresça 4,2 por cento em 2017, depois de no ano passado ter registado o valor mais baixo dos últimos quinze anos (3,3).