A comissão liquidatária do moçambicano Nosso Banco começou esta semana a pagar aos depositantes e credores, dispondo de 1,3 mil milhão de meticais para o efeito (18 milhões de euros), anunciou a instituição.
Os clientes e credores já tinham sido parcialmente reembolsados, logo após a dissolução da instituição, em Novembro do ano passado, por ordens do Banco de Moçambique e vão agora receber o remanescente do seu dinheiro, referiu fonte da comissão liquidatária.
Na altura, o banco central anunciou que o Fundo de Garantia de Depósitos constituído pelo regulador só iria reembolsar os credores e depositantes até a um limite máximo de 20 mil meticais.
Numa primeira fase, apenas os depositantes, fornecedores de bens e serviços, Estado e ex-trabalhadores é que íam receber o dinheiro que lhes era devido, ficando os accionistas por reembolsar numa ocasião posterior.
O Nosso Banco tinha como accionistas maioritários o Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), entidade estatal que gere pensões e reformas no país, e a empresa pública Electricidade de Moçambique (EDM).
A comissão liquidatária conseguiu reunir o dinheiro para pagar aos credores através da venda de acções na Sociedade Interbancária de Moçambique (SIMO), venda de património, créditos a outros bancos e por intermédio de cobrança de dívidas aos mutuários.