Moçambique perdeu cerca de 3,7 milhões de euros no primeiro semestre deste ano em casos de corrupção envolvendo funcionários públicos, anunciou o porta-voz do Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC).
Os casos de corrupção envolvem funcionários de instituições públicas moçambicanas, alguns dos quais já têm processos para a sua responsabilização em fase de instrução preparatória, explicou Cristóvão Mondlane, citado pelo diário Notícias, na edição dessa semana.
Entre os principais casos, destacam-se os processos que envolvem sete presidentes municipais, cinco administradores distritais, seis presidentes de Conselho de Administração, seis secretários permanentes e 15 directores.