Na sua mais recente análise sobre as principais economias africanas, a Focus Economics antevê um crescimento de 3,7 por cento em 2019, e uma aceleração para 4,3 no ano seguinte para Moçambique.
A previsão significa uma ligeira baixa na ordem de 0,1 pontos percentuais face anterior análise à economia moçambicana, que
fora na ordem de 3,8 por cento.
A aceleração do crescimento deste ano é justificada pela melhoria das condições monetárias e dos fluxos de investimento, particularmente para os mega-projectos do Gás Natural Liquefeito, escrevem os analistas.
Apesar das previsões mostrarem um crescimento da economia do país, que em 2018 fixou-se nos 3,3 por cento segundo dados oficiais, a Focus Economics alerta que o forte peso da dívida vai continuar a ensombrar as perspectivas da evolução da economia nacional.
Ainda no mesmo relatório a consultora revela que no último trimestre do ano passado, a economia pareceu ter ganho fôlego, que se seguiu a um terceiro trimestre modesto, ainda que com um notório crescimento da produção na indústria extractiva.
O documento revela também que a inflação aumentou para 3,8 por cento em Janeiro, face aos 3,5 por cento que tinha registado em Dezembro, lembram os analistas, que dizem esperar que a subida dos preços registe um valor de 5,7 por cento
este ano e 5,9 no próximo.
Inflação
As projecções do Departamento de Estudos Económicos do Banco Central de Moçambique divulgadas na passada segunda-feira, continuam a apontar para uma inflação anual de um dígito para 2019, em linha
com o registo do ano anterior.
O Banco Central prevê uma inflação em torno de 6 a 7 por cento este ano, contra 3,91 por cento de 2018, ou seja, uma aceleração do custo de vida em cerca de três por cento.
Já no que concerne ao desempenho da actividade económica, estima-se uma ligeira aceleração do Produto Interno Bruto em 2019, sustentada pela melhoria da procura interna, bem como o dinamismo esperado do sector produtivo.
As Reservas Internacionais Líquidas reduziram em 35 milhões de dólares, para 2.8 biliões de dólares, relativamente ao fecho de 2018.