A secretária-executiva adjunta da Comissão Económica para a África (CEA), Giovani Biha, lançou na última terça-feira, em Marraquexe (Marrocos), um Fundo Africano para a Liderança das Mulheres, destinado a reforçar a autonomia económica das mesmas.
Este fundo visa não só reforçar a autonomia económica das mulheres, mas também facilitar a emergência de mulheres gestoras de fundos.
Tem igualmente por objectivo facilitar o acesso destas e de cooperativas africanas a capitais duradouros, reduzir os obstáculos encontrados por gestoras de activos desejosas de investir em empresas detidas e lideradas por mulheres, fornecendo uma assistência técnica que permita acelerar a formação e o crescimento destas gestoras de activos.
O fundo foi instaurado pela CEAO sob a direcção da vice-Secretária-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), do presidente da União Africana, com o apoio da agência ONU-Mulheres, do Gabinete da Enviada Especial para as Mulheres, Paz e Segurança da Comissão da União Africana e da rede AWLN, a pedido da Rede das Mulheres Africanas Dirigentes.
Espera-se que, na próxima década, este fundo possa investir até 500 milhões de dólares americanos em empresas dirigidas por mulheres africanas, muitas vezes confrontadas com obstáculos financeiros que afectam suas empresas.
O Fundo foi lançado à margem do quinto Fórum Regional Africano sobre o Desenvolvimento Sustentável (FRADD) que arrancou na quarta-feira na capital turística marroquina, sob o lema “Autonomizar as Populações e Garantir a Inclusividade e a Igualdade”.