Abuja, a capital federal da Nigéria, acolhe de 7 a 9 do corrente o primeiro Fórum Económico Mundial (WEF) a realizar-se em África.

O governo nigeriano intimou aos cidadãos a permanecerem três dias em casa a fim de permitir a organização do fórum sem transtornos.

A presidente do comité local de organização e coordenação do fórum, a ministra nigeriana da Economia e Finanças, Ngozi Okonjo-Iweala, e os responsáveis da organização garantiram aos jornalistas estrangeiros que a segurança de cada delegado será garantida.

Segundo os organizadores, todos os pormenores foram considerados em relação à segurança dos participantes, nomeadamente os chefes de Estado e de Governo que confirmaram a sua presença em Abuja.

A capital nigeriana foi recentemente abalada por duas explosões que fizeram cerca de 100 mortos e que foram imputadas ao grupo islamita terrorista Boko Haram, que reivindicou igualmente o rapto de dezenas de alunas de um liceu público no Norte do país.

O fórum deve oferecer oportunidades aos empresários locais e estrangeiros a fim de desenvolver cada vez mais as suas operações e a longo prazo criar um crescimento inclusivo graças a possibilidades de emprego para um grupo crescente de jovens desempregados em África.

Entre as personalidades que confirmaram a participação no fórum figuram o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, o ex-Presidente do Brasil, Luíz Inácio Lula da Silva, o Presidente senegalês, Macky Sall, o ex-Presidente sul-africano, Thabo Mbeki, o ex-Secretário-Geral das Nações Unidas, Kofi Annan, os Presidentes queniano, Uhuru Kenyatta, tanzaniano, Jakaya Kikwete, togolês, Faure Essozimna Gnassingbé, beninense, Thomas Yayi Boni, e rwandês, Paul Kagamé.

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Donald Kabureka, o chefe de Estado ganense, John Dramani Mahama, os primeiros-ministros de Madagáscar, Kolo Christophe Laurent Rogers, do Mali, Mara Moussaka, da Côte d’Ivoire, Daniel Kablan Duncan, o presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Kadré Désiré Ouédraogo, e o ex-Presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo, deverão igualmente participar neste fórum.

Empresários norte-americanos, canadianos e de outros países são também esperados no Fórum Económico Mundial.