A Nigéria, país mais povoado do continente africano com cerca de 170 milhões de habitantes, tornou-se a primeira economia de África e a 26ª do mundo, segundo um novo método de cálculo do seu produto interno bruto (PIB), anunciou o director do gabinete nacional de estatística (NBS), Yemo Kale.

Depois da revisão do cálculo do PIB da Nigéria, as estimativas para 2013 passam de 38,1 para 68,1 mil milhões de kwanzas, contra 51,3 mil milhões de kwanzas da África do Sul.

A Nigéria ultrapassa doravante países como a Áustria (52,7 mil milhões de kwanzas), a Venezuela (50,9 mil milhões), a Colômbia (49,3 mil milhões de kwanzas), a Tailândia (48,8 mil milhões), a Dinamarca (42 mil milhões), a Malásia (36,6 mil m,ilhões) e a Singapura (36 mil milhões de kwanzas).

“A estrutura da economia mudou muito”, sublinhou Kale, acrescentando: “assistimos à revisão histórica do nosso PIB, o que não foi realizado há mais de duas décadas”.

O governante anunciou que o próximo cálculo será efectuado em 2015 e os resultados serão publicados em 2016.

A revisão das cifras indica que os serviços, que integram as instituições financeiras, a informação e as comunicações, o sector imobiliário, os serviços profissionais, científicos e técnicos, bem como o comércio, contribuem com 52 por cento do total do PIB, seguidos de longe pelo sector industrial com 25,7 por cento.

Posteriormente, surgem o sector agrícola (22 por cento), as telecomunicações (8,69), a indústria manufactureira (6,83) e a indústria de lazeres, que não era tida em conta (1,42).

O precedente método de cálculo não contabilizava os serviços de informação e de telecomunicação, a publicidade, a indústria do cinema e do disco.

De acordo com Kale, o crescimento real do PIB depois deste cálculo era estimado em 5,09 porcento em 2011, 6,66 em 2012 e segundo as projecções em 7,41 em 2013.

“Durante este período, a economia deverá crescer em média 6,39 por cento. O sector dos serviços deverá progredir mais rapidamente neste período, aumentando em média 7,72, seguido da indústria que deverá crescer 7,19 por cento. O sector agrícola deverá prosperar em média 2,61 porcento”, afirmou o director.

O novo método de cálculo tem em conta as evoluções na produção e consumo, o que a Nigéria não fazia há cerca de 25 anos.