O Fundo Monetário Internacional (FMI) defendeu na segunda-feira a criação de um fundo soberano para as receitas de gás natural em Moçambique, alertando para o risco de os recursos se tornarem numa “maldição”.
“Os recursos naturais podem ser uma maldição e, por isso, (na gestão das suas receitas) é preciso muito cuidado. Nós achamos que a criação de um fundo, apesar de adiar o consumo num cenário onde há necessidades, iria favorecer a economia moçambicana”, disse o representante do FMI em Moçambique, Ari Aisen.
Para o representante do FMI, se as receitas do gás natural forem usadas sem um plano específico, o risco de Moçambique cair na “doença holandesa” é maior, tendo em conta que o país já regista altos níveis de disparidade económica.
O investimento em infra-estruturas que dinamizem outros sectores é apontado pelo representante do FMI como fundamental para diversificar a economia, evitando que o país dependa apenas de uma indústria que cria poucos empregos e está exposta a riscos no mercado internacional, apesar de movimentar muito capital.
Moçambique tem reservas de gás natural estimadas em cerca de 270 triliões de metros cúbicos, cuja exploração vai arrancar nos próximos anos, o que obriga o país a preparar-se para o advento de volumes massivos de investimento e para uma gestão criteriosa das receitas da actividade extractiva, segundo dados da Presidência moçambicana.
O FMI prevê que a dívida pública de Moçambique suba este ano para 108,8% do PIB, mantendo-se acima dos 100% do PIB até 2023, e recomenda que o financiamento do país seja baseado em donativos externos e empréstimos altamente concessionais, tendo em conta a sustentabilidade da dívida.

Endividamento excessivo
Por outro lado, o Nobel da Economia em 2001 Joseph Stiglitz alertou, recentemente, Moçambique para a tentação do endividamento excessivo, devido à expectativa das receitas dos recursos naturais, principalmente o gás natural.
Stiglitz falava sobre o tema “Moçambique e o futuro: Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável”, no âmbito do Fórum Económico Social de Moçambique (Mozefo).