Em relação ao último trimestre do ano passado, a economia portuguesa acelerou um por cento, contra uma variação em cadeia de 0,7 cento no trimestre anterior. Já em termos homólogos, no trimestre anterior o PIB tinha crescido dois por cento.
Segundo a nota do INE, as exportações cresceram mais do que as importações e o investimento acelerou. “Esta aceleração resultou do maior contributo da procura externa líquida, que passou de negativo para positivo”, lê-se no comunicado, onde se acrescenta que “a procura interna manteve um contributo positivo elevado, embora inferior ao do trimestre precedente”. O instituto de estatística adianta ainda que o investimento melhorou, embora o consumo
privado tenha desacelerado.
A estimativa do INE confirma as projecções avançadas por vários organismos que acompanham a evolução da economia nacional e que, desde há vários dias, vinham antecipando um crescimento homólogo superior
a dois por cento do PIB.