A equipa de Theresa May desenhou um plano secreto para reter milhares de milhões de libras de pagamento relacionados com o Brexit de modo a forçar a União Europeia a dar ao Reino Unido o acordo comercial que pretende.
Responsáveis políticos britânicos discutiram o plano em privado, que é visto como uma reserva que pode ser usada caso Bruxelas falte à palavra no compromisso de procurar um acordo comercial justo para o pós-Brexit, refere a Bloomberg citando fontes conhecedoras do processo.
Este plano secreto está longe de ser o preferido do Reino Unido, mas membros do Governo britânico acreditam que pode vir a ser necessário. May tem dito que quer ter fechado até Outubro um esboço do acordo que cubra os termos das relações comerciais entre as duas regiões no futuro. Apesar disso, a União Europeia tem dito que o acordo em Outubro conterá apenas detalhes e será pouco mais do que uma declaração política.
Dado ser um dos maiores contribuidores para o orçamento da União Europeia, se o Reino Unido utilizar a arma de congelar os pagamentos pode ganhar vantagem nas negociações. Mas esta será uma jogada arriscada que poderá ser encarada em Bruxelas como uma provocação, numa altura em que falta pouco mais de um ano para a saída oficial do Reino Unido da União Europeia (Março 2019).
Fontes não identificadas disseram à Bloomberg que o Reino Unido tem a opção de suspender os pagamentos relacionados com a factura do Brexit (orçada entre 40 e 45 mil milhões de euros) caso os líderes europeus optem por dificultar o processo.
O valor da factura foi um dos primeiros pontos onde foi alcançado um acordo entre Londres e Bruxelas, mas um responsável britânico diz que não ficou ainda definido o mecanismo preciso para o pagamento do dinheiro, pelo que fica em aberto a possibilidade de o reter.
Os políticos britânicos temem perder poder nas negociações dos detalhes das relações comerciais que vão ter lugar durante o período de transição, uma vez que nessa altura o país já terá saído da UE. Também aí o Reino Unido já se terá comprometido com o pagamento da factura de 40 mil milhões de libras.