No mundo corporativo, uma informação adequada, direccionada ao desempenho da equipa, pode ser melhor absorvida, se as pessoas dominarem os conceitos que a fundamentam e se de igual forma estiverem preparadas emocional e tecnicamente, para lidar com tal informação no sentido de ampliar os horizontes de possibilidades no próprio ambiente de trabalho. A grande barreira que impede esse salto de qualidade, é o facto de a comunicação não se realizar na sua plenitude e se perder em tropeços no caminho entre o emissor e o receptor. Segundo Peter Drucker, pai da administração moderna, 70 por cento dos problemas nas organizações estão ligados à comunicação. Entretanto, nos dias de hoje, deparamo-nos com um problema mais grave, que é a falta de base para a troca de informações, dando origem ao dilema entre entender e compreender. Quando a informação não é devidamente entendida pelo receptor, este não sabe a utilidade a dar pois que lhe faltam os conceitos que dariam vida à informação e se consumasse assim a comunicação. No plano das lideranças não é diferente, porque enquanto muitos líderes perdem tempo a avaliar a comunicação, esquecem-se de avaliar se o receptor tem formação para entender o que lhe chega. Nesse sentido, é fundamental depurar antes o que se pretende comunicar, dimensionar a área de abrangência do conteúdo a ser exposto, e escolher correctamente as palavras que vão sustentar essa comunicação, uma vez que se conhece o nível do receptor.È igualmente importante,tirar as dúvidas de imediato, para que as pessoas possam fazer bom uso da mensagem recebida.