A provedora de serviços pan-africanos SEACOM anunciou planos para dobrar a capacidade de dados no seu sistema de cabos submarinos de banda larga, de 1,5 terabytes para três terabytes.
O movimento vai ver mais empresas no continente a utilizar tecnologias emergentes, como a computação em nuvem. O administrador da SEACOM, Byron Clatterbuck, disse que tal decisão resulta da crescente procura por processamento de dados baseado em nuvem por empresas com operações multinacionais em todo o continente.
A SEACOM já fornece acesso directo de banda larga a clientes corporativos por meio do SEACOM Business. Como parceira dos negócios em África, a provedora de serviços a cabo de banda larga submarina já habilitou operações baseadas em nuvem para diversas empresas, por meio de conectividade segura e confiável de alta velocidade para plataformas como o Microsoft Azure e o Amazon Web Services.
No futuro, a empresa planeia expandir-se mais no interior do continente, ampliando o acesso de fibra em todos os países, e ao mesmo tempo, visando as grandes e médias empresas com a sua oferta premium.
Em Abril, a SEACOM anunciou a conclusão do acordo para a aquisição de 100 por cento da FibreCo Telecommunications em Novembro de 2018. A FibreCo possui e opera uma rede nacional de fibra escura de acesso aberto, fornecendo infra-estrutura e serviços de conectividade na África do Sul. Reconhecendo os seus benefícios para a economia sul-africana e para os cidadãos locais, a Comissão de Competição da África do Sul aprovou a aquisição em Março.
A aquisição da FibreCo representa outro passo significativo para a SEACOM em cumprir a sua visão de aumentar a pegada nacional da empresa em 2019 na África do Sul e em África como um todo através da consolidação de activos de fibra. A SEACOM acredita que isso é necessário para a evolução do mercado, particularmente com o aumento da demanda por dados devido ao crescimento da conectividade baseada em fibra e ao surgimento de tecnologias como a 5G.
A aquisição da FibreCo permite ainda à SEACOM dimensionar e actualizar o seu Anel Africano, conectando os seus activos submarinos da costa Leste e Oeste com uma robusta rede de fibra trans-sul-africana.
Enquanto a SEACOM conecta a África do Sul à costa Leste de África, Índia e Europa, a rede FibreCo percorre as rotas de transmissão de maior tráfego da África do Sul e conecta mais de 60 pontos de presença em todo o país, incluindo importantes centros de dados em grandes metrópoles, como Joanesburgo, Cidade do Cabo, Bloemfontein, Durban e East London.
Fibra end-to-end adicional conecta o sistema de cabos submarinos SEACOM (que aterra em Mtunzini, na costa Leste da África do Sul) ao WACS (que se localiza em Yzerfontein, na costa Oeste), garantindo alta redundância e total protecção do anel de velocidade em todo o Continente Africano.